O projeto Paisagem Silenciosa propõe uma reflexão sobre o espaço urbano e sua percepção pelo indivíduo, usando a fotografia como ferramenta de investigação, descoberta e documentação.

 

O desafio proposto é refletir sobre a interação, ora harmoniosa ora caótica, do indivíduo com o meio urbano, buscando situações ambíguas onde o referente da imagem perde importância diante de uma nova ressignificação proposta.  Em outras palavras, buscaremos isolar objetos ou situações do contexto em que estão inseridos. Esse recorte cria novas possibilidades de leitura e percepção desses objetos. Captar e transformar em imagens esse novo significado surgido será o foco deste projeto.

 

Somos Bombardeados todos os dias por centenas de fotografias genéricas de banco de imagens.  De tão presente, se tornaram parte da paisagem que distraidamente nem mais notamos.

A fotografia não é simplesmente o “espelho do real” como supõe o senso comum. Ela é um “texto” como outros tantos, construída pela articulação dos elementos que a compõe. O conteúdo de uma imagem pode ser manipulado tanto em um artigo de jornal como em uma tese acadêmica.

É necessário ter senso crítico. Isso não quer dizer que não exista uma “verdade” que o fotógrafo queira nos comunicar, mas essa comunicação só pode ser entendida dentro de um contexto cultural, aliás, como qualquer linguagem.

Fora do contexto, objetos e eventos se tornam ambíguos. Até o mais banal fica envolto na névoa do mistério, pois só restam pequenas pistas que não nos levarão a pessoas ou lugares, mas criam pontes em nosso imaginário.

Pensando a fotografia contemporânea como negação da tradição documental onde se operam novos significados. O projeto “Paisagem Silenciosa” usa a fotografia como ferramenta de investigação e descoberta do ecossistema urbano, buscando ressignificar o comum em objetos ou momentos extraordinários

 

Projeto realizado com o apoio da Prefeitura Municipal de Campinas, Secretaria de Cultura, Fundo de Investimentos Culturais de Campinas 2014